A carregar...

HERITALES - FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DO PATRIMÓNIO

RITOS, ENCONTROS E CELEBRAÇÕES POR CULTURAS SUSTENTÁVEIS

HERITALES - FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DO PATRIMÓNIO

26 Abril | Auditório | 18.00 | Gratuito

O Festival Internacional de Cinema sobre Património Heritales procura divulgar narrativas de natureza fílmica e gráfica relacionadas com o património cultural material e imaterial. Desta forma, centra o seu papel numa área principal da UNESCO, a comunicação e informação. Nesta edição de 2018/19, Heritales foca o tema dos ritos, encontros e celebrações por culturas sustentáveis, sempre incluindo o tema da sustentabilidade que é um dos 17 objetivos presente na agenda 2030 da UNESCO para o desenvolvimento sustentável. Assim, das muitas formas de difundir cultura, Heritales faz uma aproximação verdadeiramente interdisciplinar e apoia-se na sétima arte para recuperar o valor patrimonial da comunidade, sejam elas atuais ou históricas.

PROGRAMA
  • Hindu Eu, de Gabriel Margarido Pais (10')
  • The way of the Shaman Drums, de João Meirinhos (12')
  • Aabua Paika Kabu Bageya, de Sneha Mundari (26')


A exibição dos três documentários é seguida de conversa com os realizadores e comissários do festival.

Duração | 60’, sem intervalo
Gratuito, mediante levantamento de bilhete no próprio dia da exibição


HINDU-EU.jpg
HINDU EU [2018]
de Gabriel Margarido Pais (Portugal)

Hindu Eu é um documentário que explora a realidade e o espaço de convívio da comunidade Hindu lisboeta no Templo Radha Krishna, em Telheiras. Com o objetivo de dar a conhecer este espaço de convívio e solidariedade, o filme acompanha um final de tarde típico neste espaço, dividindo-se em três partes: a chegada aos jardins do templo que transportam qualquer um para um estado de espírito pacífico e de retiro; uma refeição de convívio e aproximação da comunidade; e um ritual de adoração aos Deuses que nada fica atrás de uma experiência extrassensorial de partilha de amor e paz.
Duração | 10’
Idioma | hindi, sem legendagem

Gabriel Margarido Pais é um estudante de Cinema da Escola Superior de Teatro e Cinema. O seu primeiro filme com uma projeção pública foi uma micro-curta de terror que esteve presente na 10ª edição do Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, MOTELx. Natural de Mangualde, mudou-se para Lisboa para prosseguir os estudos em Cinema. A formar-se em argumento, já realizou vários projetos de Escola e extracurriculares, tendo também estado ativo como Diretor de Arte em várias produções



THE-WAY-OF-THE-SHAMAN-DRUMS.jpg
THE WAY OF THE SHAMAN DRUMS [2017]
de João Merinhos (Portugal)
Aspectos espirituais do xamanismo são misteriosos e alguns acreditam que médicos e curandeiros xamãs podem dizer o futuro e afastar espíritos demoníacos durante cerimônias de dança especiais. No entanto, neste documentário, o realizador João Meirinhos oferece aos espectadores um relato mais pragmático e realista dos envolvidos na cultura xamã como as minorias étnicas manchus que vivem na montanha Changbai, na província de Jilin, no nordeste da China. Guan Yunde, de 70 anos, um promotor da cultura xamânica de Manchu, trabalha ao lado de um parceiro de negócios e projetou e construiu tambores de Xamã. Ele desenterrou os mistérios do xamanismo. Os xamãs prezam muito os animais e sustentam uma fé politeísta, o que significa que todos os seres vivos, incluindo os animais, têm um espírito e são divinos. Assim, só no nordeste da China, eles adoram o deus do tigre, deus do lobo e assim por diante. O xamanismo prende-se mais com amar a natureza e a antiga cultura manchu do que participar das chamadas danças espirituais demoníacas. Guan viveu numa casa com muitas gerações de ancestrais manchus, enquanto seu pai era reconhecido como líder tribal.
Eles usaram madeira de kiwi para fazer tambores de Shaman, uma vez que mostra poucos defeitos ao esculpir. Para algumas pessoas, o xamanismo é percebido como um mal, mas para os membros das etnias manchu, como Guan Yunde, é simplesmente uma parte ilustre da cultura manchu, que merece ser passada para as gerações futuras.
Duração | 12’
Idioma | chinês, com legendagem em Chinês/Inglês/Português

João Merinhos é um cineasta etnográfico e investigador de Lisboa, Portugal.
Ele trabalha para várias organizações de engajamento social com foco em justiça social e conscientização ambiental desde 2007, usando ferramentas audiovisuais para acionar o intercâmbio cultural e mediar o diálogo entre as pessoas. Desde 2011, ele desenvolve um projeto de cinema itinerante movido a energia solar, patrocinado pela ONG italiana Bambini Nel Deserto. Com "Cinema du Desert", ele teve a possibilidade de viajar e trabalhar na África Ocidental e na Ásia Central. Um mestrado em Antropologia Visual com a Universidade de Manchester levou-o a realizar trabalho de campo na Amazônia peruana, que culminou no documentário "O Espelho do Espírito" (a primeira parte "Afluentes" foi muito bem recebida em festivais etnográficos em todo o mundo). Desde então João tem trabalhado entre o Reino Unido, Hong Kong e Lisboa como freelancer audiovisual.



AABUA-PAIKA-KABU-BAGEYA.jpg
AABUA PAIKA KABU BAGEYA [2016]
de Sneha Mundari (India)
Paika é um filme documentário sobre uma forma de dança de artes marciais. Mais que uma forma de entretenimento, tem um significado social pois comemora e preserva ocorrências históricas, luta e triunfo da comunidade Munda enquanto forma da arte. O filme traduz o esforço e empenho da realizadora em retratar as vidas com o cultura e tradição da suacomunidade. Este filme é feito através de uma compreensão da vida da comunidade Munda vista quer de fora quer de dentro. O filme mostra uma narrativa construída a partir de histórias, canções e entrevistas de Pandeya Munda que dançam esta forma de dança folclórica há mais de 25 anos.
Duração | 26’
Idioma do filme | hindi, com legendagem em Inglês

Sneha Mundari formou-se em 2017 em B.Des (Comunicação em Cinema e Vídeo) no Instituto Nacional de Design, Ahmedabad. Pertence à comunidade de Munda e é de Rourkela, Odisha. Trabalhou em muitos curtas-metragens, um longa-metragem em hindi; Haraamkhor e dois filmes de Gujarati. Sneha adora viajar, fotografar, escrever poemas e trabalhar pelo bem-estar social.