A carregar...

CHOPIN E O VIOLONCELO

CICLO CONCERTOS ANTENA 2

CHOPIN E O VIOLONCELO

21 Janeiro | Auditório | 19.00 | Entrada gratuita
Com Maria José Falcão (violoncelo) e Anne Kaasa (piano)

PROGRAMA

Frédéric Chopin (1810-1849)

  • Introdução e Polaca Brilhante para piano e violoncelo em Dó Maior, op. 3
  • Polaca-Fantasia em Lá bemol Maior, op. 61 (piano solo)
  • Sonata para violoncelo e piano em Sol menor, op. 65
  1. Allegro moderato
  2. Scherzo (Allegro moderato)
  3. Largo
  4. Finale (Allegro)


M/6 anos
Duração ca. 55 minutos, em intervalo

Maria José Falcão, violoncelista, iniciou os seus estudos musicais aos seis anos na Fundação Musical dos Amigos das Crianças em Lisboa. Obteve o diploma do Curso Superior do Conservatório Nacional de Lisboa com as mais altas classificações, após o que iniciou os seus estudos de aperfeiçoamento em Paris,com o violoncelista Paul Tortelier.
Foi laureada por duas vezes com o Prémio Guilhermina Suggia. Maria José Falcão foi primeiro violoncelo da Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional e da Orquestra Gulbenkian.  De 1976 a 1990 ocupou o lugar de violoncelo solo na Orquestra de Câmara de Lausanne na Suíça e simultaneamente professora de violoncelo no Conservatório de Música desta cidade. De regresso a Portugal ingressou de novo na Orquestra Gulbenkian onde ocupou o lugar de primeiro violoncelo solo de 1990 até 2015 e foi professora no Conservatório Nacional de Lisboa até 2015. É licenciada pela Escola Superior de Música de Lisboa. Deu numerosos concertos em Portugal e no estrangeiro, tendo gravado um disco na Hungria, com a Orquestra Sinfónica de Budapeste. Participou em vários Festivais, nomeadamente Algarve, de Sintra, de Macau e do Funchal.


Anne Kaasa pianista norueguesa, radicada em Portugal,  é caracterizada pela revista musical francesa Le Monde de la Musique como “uma pianista que se destaca no abundante mundo de solistas pela profundidade das suas interpretações, pela fluidez do seu discurso musical e pela delicadeza do seu toucher”
A sua actividade de solista levou-a a tocar em salas como Wigmore Hall (Londres), Grande Auditório da Fundação Gulbenkian e do Centro Cultural de Belém (Lisboa), Auditorio Nacional (Madrid), Ateneu Romano (Bucareste) e Palácio Sheremetev (S. Petersburgo) e em festivais internacionais como Ljubliana Festival, Nuits pianistiques de Aix-en-Provence, Festival de Maputo, Festival de Costa de Estoril, Festival de Madeira e Dias de Música no CCB.
Apresentou-se como solista com orquestras, entre as quais a Orquestra Gulbenkian, a Orquestra Sinfónica Portuguesa, a Orquestra de la Comunidad de Madrid, a Orquestra Nacional do Porto a Orquestra de Câmara de Florença.
Anne Kaasa gravou para rádios nacionais em França, Espanha, Eslovénia, Noruega e Portugal. As suas gravações de obras de Grieg, Ravel e Debussy para as editoras EMI Classics, Grave, e Saphir foram muito elogiadas pela crítica musical internacional (Diapason, Le Monde de la Musique, Radio France, e La Stampa entre outros).